Controle Y



Bruno, o gay eleitor do Bolsonaro

Conheci o Bruno no aniversário de uma amiga, um dos colegas de trabalho dela. Imediatamente me identifiquei com ele, o mesmo tipo de humor, mesmo gosto musical, até que minha amiga chega e diz: “sabia que vocês iriam se dar bem, pena que ele vota no Bolsonaro, Y!” Meu. Mundo. Caiu. Um gay que vota no Bolsonaro?

Mentira, né? – perguntei, mas ele confirmou que era verdade. Para tentar descontrair o climão que ficou, falei: “como diria a Samira Close: bicha, a senhora tem carro mas eles quebram o carro e te enchem de porrada”.  Ele não gostou, fechou a cara e disse que estava votando contra o PT.

Se fosse em outro momento, eu ignoraria, mas algo dentro de mim foi falando mais e mais alto, até que disse:

Sabe Bruno, dia desses eu vi um casal de pais revezar o colo para segurar uma criança enquanto o outro fumava um cachimbo de crack. O que vai ser do futuro dessa criança? Quais são as reais chances dela? Como ela vai para a escola? A única chance dela é ir para um abrigo e torcer muito para ser adotada, caso contrário ela acabará na rua e aí ja sabemos.

E você sabe qual é a solução do Bolsonaro para essa criança, né? Matá-la. Simples assim.

Agora quero que você me responda: você aceitaria um governo em que essa criança morra, mas que você fique mais rico? Se aceitar, tudo bem, não vou julgar, você tá votando no candidato perfeito para você.

Ele ficou quieto, mas deixou claro a resposta dele…

Minha vontade era falar: “VIADO, tão falando que o Bolsonaro vai MATAR VIADO! Entendeu, viado?!? Porque você vai votar nele?”, mas como meu pai me ensinou que é rude perguntar pra alguém porque ela é burra, preferi finalizar o assunto ali. Ele não falou comigo o resto da noite, mas espero ter plantado uma semente de reflexão nele.

Três tipos de gay eleitores do Bolsonaro: 

  1. Homossexuais como o Bruno: que buscam seguir um modelo gay que seja “mais aceito” pela sociedade. Daqueles que acham elogio ~não parecer gay~, sabe? Resultado do preconceito que essa pessoa recebeu a vida inteira. É foda julgar.
  2. Burros: que acham que pode ser extrema-direita conservadora radical e esquecem que muita bicha morreu para eles poderem dar close em balada gay e se maquiar no Instagram.
  3. Enrustidos: Né?

Bruno, não esqueça que não somos mais tão minoria assim – somos a maior parada gay do mundo – tem gay pra cacete no Brasil. Nós lutaremos por você!

P.S.: Com os eleitores do Coiso, eu nem discuto mais toda a questão de homofobia do candidato (mesmo sobre homens estarem gritando em locais públicos que ‘o Bolsonaro vai matar viado’). Afinal, isso é uma das coisas que o tornou famoso, propagar o ódio e o preconceito – você acha que é justamente o que vai fazer ele perder votos?

Não é a primeira vez que enfrentamos preconceito, caro leitor. Sim, assusta ver tanta gente tão próxima revelar ter essa mesma ~opnião~, mas o bem vence o mal e nós estamos do lado certo.

#elenão

 

Só para constar: CIRO, 12, CONFIRMA!

*** UPDATE: PT, nunca te critiquei!