Controle Y



Thales, o pão-duro

Já teve algum date com um pão-duro?

Controle Y Pão-Duro Meu horóscopo disse que eu deveria dar um passo na minha relação. Deveras eu não tinha um relacionamento. Adaptei então. Chamei o Thales, um boy com quem eu estava há três meses, para ir ao cinema.

Estava cansado de só ir para a casa dele. Queria vê-lo em outros ambientes.

Thales deixou o carro duas ruas atrás do shopping. Só entendi que foi para economizar no estacionamento quando a gay me saca um carteirinha falsificada de Letras da USP para pagar meia. “A bicha é Diretora de Criação e tá fazendo isso?”, pensei. A ficha caiu. Ele era pão-duro.

Por isso que ele nunca havia me oferecido nada para comer na casa dele. Os dates eram jejuns intermitentes. Até mesmo no dia em que rachamos uma pizza passei fome.

Ele cortou ela inteira em pequenos quadrados. Achei que era mania, mas na verdade foi uma tática. A esfomeada comeu trinta pedaços enquanto eu, seis!

– “Quer pipoca?”, perguntei.
– “Tem comida em casa!”, respondeu o Thales.
– “Onde? Que nunca me ofereceu nem uma pasta de dente Tandy para comer?”, quase falei.

Voltando para o carro, aconteceu o óbvio: fomos assaltados! Enquanto eu tentava acalmar o ladrão, percebi que o Thales se escondia atrás de mim, me usando como escudo humano!!! Minha vontade era de pedir pro bandido dar uma coronhada nele, mas achei que poderia configurar como participação no crime. Entregamos os celulares.

Que economia, hein, Thales?

Meu horóscopo não me alertou sobre avarentos e nem que eu deveria tomar cuidado com roubos à mão armada. Porra, Susan Miller!

Instagram: @Controle_y

Já ouviu o podcast do Controle Y? Ele vai ao ar quinzenalmente, sempre as quartas. Clique aqui para ouvir.