2 gays 1 cup (?)

chrisss

Dia 28 de abril de dois mil e dezesseis (também conhecido como “o dia em que redescobri minha sexualidade graças ao Will), mudou a minha vida.

Imagine um perfil sem foto, sem idade, dizendo para você no Grindr: “do you like skat?” O que você faz:

A) bloqueio e ignoro

B) pergunto o que é, mesmo já imaginando o que significa, afinal, são duas da manhã e você está sem sono. Ele explica, você fala que nunca fez e que não ~sabe~ se toparia – só por curiosidade de ver o rosto dele.

Conversa vai e vem, ele envia a foto e parece o Chris Pratt! CAGA EM MIM, você pensa, mas logo se lembra de que é de merda que vocês estão falando. M-E-R-D-A.

E, de repente, vocês estão conversando de desejos sexuais a hobbies enquanto ele está vindo para o seu quarto!!! Porra, e se ele já chegar cagado?, você pensa. Mas se acalma e é o exato tempo dele chegar.

Ele entra, senta na sua cama e você logo pergunta como funciona esse skat thing. Ele fala que gosta de lamber o cu da pessoa enquanto ela começa a cagar. Você pensa, MISERICÓRDIA! Ele então te beija falando que o papo o excitou. Será que ele comeu merda hoje? Você pensa enquanto beija de olho aberto para continuar vendo aquele rosto lindo e não desistir.

Então vocês começam a se pegar e ele vai direto para o seu cu, fazendo você descobrir uma sensação muito boa que você nunca havia gostado. Percebe que ele está a tempo demais alí e então você abre o jogo: olha, acho que cocô não vai rolar hoje. Ele diz que imaginou, dá uma risada e depois de passar todo medo dele falar “ah, então você não vai cagar – pois eu vou”, você percebe que ele também tem um corpo lindo e que até alí, a merda só estava na minha cabeça!

Sim, tudo parecendo um teste do destino para provar que você não precisa controlar tudo da sua vida. Você tem a melhor transa dos últimos anos e então você coloca todo seu julgamento de lado e percebe que pensar em possibilidades (só pensar mesmo, nem precisa refletir, juro, só olhar com os olhos de pura curiosidade) antes de apenas bloquear qualquer coisa (que não ofenda ninguém, plmdds) por puro preconceito, pode, na verdade, trazer algo (muito!) bom para você.

C) “no face pic no chat”

P.S.: Não, não curto cocô, mas descobri que consideraria xixi na hora do tesão.


P.S2.: Já me segue no snapchat? @controley


Jude, o tira-zica

judeExiste um equilíbrio natural da vida: algumas pessoas transam muito e outras quase nada. Mas tudo isso é organizado e distribuído por alguns seres místicos. Permita-me ser mais claro, caro leitor… Você já deve ter ficado um longo período na seca após transar com alguém. Além de absorver (magicamente, só pode ser) todo o seu magnetismo, esse ser o transfere para outra pessoa – esta terceira pessoa, tornará-se transante, enquanto você não dará mais um match que presta no Tinder.

 

Embora seja muito bom cruzar com estes seres, aviso de antemão, que não é uma terefa fácil, caro leitor! Apesar de ser mais velho, Jude tinha um corpo melhor que o meu, 15 anos mais novo. O que contribuiu para nosso date (além de eu estar precisado, claro!) Agora, por favor, engula o máximo de saliva possível e em seguida estale a língua no céu da boca, caro leitor. Além de fazer esse mesmo barulho o tempo todo, Jude tinha uma respiração extremamente alta e um sorriso com aspecto de dentadura, sabe? Percebi isso em seu carro, a caminho do Hotel – um pouco tarde demais – a não ser que eu não tivesse medo de pular de um carro em movimento numa via expressa. Considerei!

 

Chegamos no hotel e Jude me falou que tinha baixado um aplicativo para usar comigo (medo!). Deitamos na cama e ele mostrou uma espécie de verdade ou desafio sexual, onde o app sorteava as verdades e os desafios. A primeira verdade que ele tirou, foi falar como ele gosta de fazer sexo oral. Eu só queria estar morto enquanto Jude se empenhava em descrever detalhadamente (demais!) um tutorial de como chupar uma rola olhando dentro dos meus olhos e falando num tom sério e supostamente sexual. Afim de acabar com aquele passo-a-passo, apertei o meu desafio, que foi o de fazer um strip (merda!).

Jude estava levando o jogo a sério, visto que imediatamente ele colocou uma música para que eu dançasse, Shakira, Whenever Wherever… Já estava lá e fiz a dança mais ridícula da minha vida e fiquei só de cueca. Neste momento, Jude sacou o notebook e começou a ver uns filmes pornôs simultaneamente. Qual a necessidade disso! – pensei.

 

 

Em seguida, ele saca da mochila um lubrificante que tinha um cheiro de talco de criança! Era de bebê aquilo, não é possível. Fiquei totalmente brochado. Enfim, algumas rodadas depois e finalmente ~transamos~. Jude só gostava de chupar e não tinha comprado camisinha (ufa). No final, gozei nele e ele estava demorando muito. Algum tempo depois, ele disse que não conseguiria, que precisasse que eu o estimulasse com meus pés. NOT MY PROBLEM, JUDE – e fui tomar banho. Estava cansado de acumular aquelas humilhas todas.

 

Chegando no meu hotel, notificações do Hornet e Tinder começaram a saltar. Enfim, voltei a ser transante! Visto que na semana passada, saí com cinco caras. Valeu, Jude e para de me ligar no whatsapp seu perturbado.

P.S.:. Foi o primeiro sexo sem beijo na boca da minha vida!

P.S.2:. Têm pessoas que te amaldiçoam fazendo com que você só pegue pau fino ou que nunca haja camisinha por perto. Jude foi legal comigo!

P.S.3:. Jude tinha um cabelo lindo. Pique Roberto Carlos na jovem guarda.


Li, o Ninja Versátil

jujubeee

Durante Abril, em Orlando, ocorre o US All Star Federation: 2016 CHEERLEADING WORLDS – Uma competição de Cheeleaders masculinos. Resumindo, nunca vi tanto gay em toda minha vida e tão perto de mim. Como diria meu amigo Gabriel: um open bar de rola.

Eu estava no meu quarto de hotel, caçando-as no Grindr, quando um (até então) Japonês veio falar comigo. Além de definido, ele tinha um rosto muito bonito – que me lembrava alguém famoso, só não sabia quem.

“U host?” ele perguntou e combinamos que depois da academia dele, ele viria para o meu hotel, lá pelas 23h. Pontualíssimo, 22:50 Li já me mandou aquela mensagem “cheguei”.

Tranquei a mala, tirei todos os bens do cofre e escondi atrás da TV. Foi o tempo perfeito até o Li bater na minha porta. Na verdade, na porta da frente, assim consigo ver pelo olho mágico se é somente um mesmo. Segurança sempre, gente!

Li mal entrou e já foi direto para o chuveiro. O fiquei esperando na cama pensando no que ele havia falado, que só faria sexo ~clean~. De repente, Li sai pelado do banheiro, senta do meu lado na cama, numa imensa naturalidade e pergunta como foi meu dia. Ignorei o fato de um desconhecido estar pelado ao meu lado, acariciando o próprio saco e respondi que foi bom.

Estávamos naquele impasse de ~quem vai tomar iniciativa~, até ele começa a me beijar e despir. No meio das preliminares, percebi que o Li já estava de camisinha. “Quando foi que ele colocou isso?” – pensei, até me dei conta que havia sacado um lubrificante enorme e estava passando no meu pau. COMO ASSIM? ELE ESTAVA PELADO, JURO! DA ONDE ESSA BICHA DO CIRCO DE SOLEIL TÁ TIRANDO ESSAS COISAS? DO CU, SÓ PODE!

Além de toda sua flexibilidade, Li tinha uma daquelas pegadas indecifráveis, que você não sabe se é ativo ou passivo, sabe? Até que ele sacou outra camisinha e colocou em mim. Não deu nem tempo de eu ver a marca da camisinha, Li já foi sentando em mim!

Aquilo era pompuarismo com o cu, gente! Ele apertava muito meu pau – nunca imaginei que um cu poderia ter toda aquela força. Se ele me segurasse daquele jeito e levasse para o cartório, eu teria que casar. Uma verdadeira chave de cu.

Tudo estava muito bom, eu estava sendo ativo, até que do nada, ele me vira e numa passe de mágica me torna passivo. Assim, do nada. Exatamente como a Miss Filipino se tornou a Miss Universo 2016! Essa parte não curti muito, ele não sabia o que estava fazendo. Mas, ok…

Durante o banho, ele ficou ofendido que o chamei de Japonês e disse que era Filipino. Nem liguei, pois finalmente LEMBREI! YOU LOOK LIKE JUJUBEE, LI!!!