Complexo de Destiny’s Child

destin

Existem três novos signos: Beyoncé, Kelly e Michelle.

Pessoa nativas do signo de Beyoncé, são pessoas de personalidade forte que no fundo são inseguras e paranóicas. Kellyanos são companheiros, que ficam felizes ao ver pessoas felizes. Já pessoas do signo de Michelle, são vitimistas que tem o dom de fazer qualquer um se sentir mal.

Michelle te puxa quando cai. Não te deixa levantá-la, prefere que você pare o show ou que você também caia, para vocês levantarem ~juntas~, porque é mais ~romântico~. Diferente da Kelly, ela não quer ver você feliz sozinha, ela têm quer estar feliz também, se não ela vai procurar alguma maneira de te deixar mal. Além, é claro, de atrasar sua coreografia – porque ela não é capaz de acompanhar.

Então você tem que pensar em você mesma, numa versão ~adaptada~ para ela, sem a sua total capacidade e nunca em vocês duas – e se não o fizer, Michelle te fará sentir mal, falando que você é fria e egoísta.

O fato de sua natureza ser mais individualista é ignorado pelo fato de que isso automaticamente significa que você não a ama, mesmo que você realmente a ame muito! Para ela, abrir mão de oportunidades é a maior prova de amor. Te pinta com tantas cores, que você acaba esquecendo a sua verdadeira.

Michelle sempre tem a menor parte da música e ela culpa você por isso. Ela vive falando que corre atrás de você o tempo todo e que está cansada, sendo que você só não vai atrás dela porque, justamente, ela está ali o tempo todo (!)

Duas Beyoncés não dão certo, Kelly e Michelle não rola de jeito nenhum, somente pessoas dos signos de Beyoncé e Kelly conseguem sustentar um relacionamento saudável.

Pessoas que marcam date e no dia te bloqueiam ou dão um perdido ridículo, são pessoas do signo de Michelle. É a maneira que ela tem de se sentir um pouco Beyoncé.

Beys, nesse caso, o melhor mesmo é a seguir carreira solo.

PS:. Michelle (Michelle Williams), te amo, Destiny’s Child não seria a mesma coisa sem você. Inclusive, acho que a língua portuguesa deveria adotar uma nova figura de linguagem: Michellefemismo, quando a alguém paga de amor forte, puro e verdadeiro, e, na verdade, não passa de um refém emocional.